sexta-feira, 22 de abril de 2016

Esclarecendo o universo cinematográfico dos X-Men


Oi pessoal, eu nem sei quanto tempo se passou desde a última vez que atualizei o blog e peço desculpas aos leitores que tinha ou tenho. Eu to mais ativo no twitter e usando o blog apenas para situações especiais. A verdade é que voltei porque percebi que a internet precisa de um puta post foda explicando toda cronologia dos filmes dos X-Men, pra quem ainda a acha extremamente confusa. Isso faz parte de ser o grupo de super heróis mais criativo e complexo, mas também ao fato da troca de diretores entre os filmes e um pouco de desleixo da Fox, que comprou os direitos dos X-Men quando a Marvel quase faliu e teima em não devolver de volta agora que o estúdio se reergueu trazendo essa nova era de filmes de heróis.

O que mudou e o que não mudou com as viagens no tempo de Dias de Um Futuro Esquecido, os furos, os furos que não são furos. Enfim, o universo cinematográfico dos X-Men é incrível, porque os X-Men são incríveis, e pode ser confuso (não é mesmo, Deadpool?), mas não é essa bagunça toda que o pessoal que mau viu os filmes prega por aí, e eu amo os X-Men e vou protegê-los, então vamos lá.


Em X-Men: O Confronto Final muita coisa aconteceu, Xavier morreu, Ciclope morreu, Jean ressuscitou para morrer de novo, Mística, Vampira e Magneto perderam seus poderes (o que nós sabemos que era temporário). O título não foi enganador, foi realmente "o confronto final", ou quase isso. Os novos acontecimentos da viagem no tempo, além de explicar porque alguns não mais morreram, por mudança de eventos, explica também as alterações na idade de alguns personagens.

Qualquer um que tenha nascido após 1973 poderia ter sua idade ou existência alterada sem danos à cronologia. Com o passado devidamente alterado por Wolverine, novas coisas aconteceram e quando você altera uma coisinha no tempo, ela altera outras coisas, que provocam grandes consequências e assim você cria uma nova realidade (famoso efeito borboleta - um simples bater de asas de uma borboleta pode causar um furacão do outro lado do mundo etc), apesar de que tudo tende a se normatizar, como Hank Mccoy, o cientista Fera, bem explica ao comparar a linha temporal como uma pedra atirada rasteiramente num rio.

Jubileu de 2000 e Jubileu da nova realidade na década de 80 (onde seu visu faz todo sentido)

Quem nasceu em tal ano, por simples mudança de eventos na nova realidade, agora pode ter nascido antes, ou depois (ou nem ter nascido), o que alteraria sua idade, como por exemplo Jubileu. Em suas rápidas aparições na trilogia original, já nos anos 2000, aparece como uma adolescente e agora na nova linha temporal em X-Men Apocalipse, 20 anos antes, ela...ainda é adolescente. O mesmo vale pro Anjo e Psylocke.



E também serviria para Jean, a respeito de sua versão jovem em X-Men: Apocalipse e a vista no início de O Confronto Final que, mesmo com 3 anos a mais de diferença, parece ter rejuvenescido.
Apesar de que eu gosto de acreditar que Jean já havia nascido antes dos eventos de Dias de um Futuro Esquecido e que é ela a garotinha ruiva que aparece olhando pro céu vendo o Magneto levitar o estádio de futebol. Essa teoria é corroborada com o fato de que, quando, no mesmo filme, Charles procura por Raven no cérebro, você escuta os pensamentos de vários mutantes e nenhum deles mostra qualquer indicação de ter alguém telepaticamente nas suas cabeças, mas com os pensamentos tornando-se cada vez mais rápidos e turbulentos e Charles começa a se sobrecarregar, escutamos uma voz feminina de criança casualmente perguntar "quem é você?".


No filme de 2000, Professor X diz claramente para Logan que conheceu Magneto aos 17 anos, que este o ajudou a construir a máquina chamada Cérebro e que por isso teria conhecimento para fazer um capacete capaz de proteger sua mente contra ele. Só que o filme de 2011, Primeira Classe, mostra os amantes amigos se conhecendo já adultos, Cérebro sendo construído por Fera e demonstra que o capacete de Magneto seria originalmente um presente dos soviéticos a Sebastian Shaw, que depois Magneto toma posse (lembrando que os soviéticos inventaram os satélites, então eles podem fazer qualquer coisa).


Isso aconteceu porque First Class foi intencionado a funcionar como um reboot pra franquia, mas o filme teve alguns problemas nos bastidores e quando o roteiro foi reescrito, a Fox exigiu que o longa fosse um prelúdio para a trilogia, o que acabou acarretando muitos furos na história geral e por isso depois veio Dias de um Futuro Esquecido pra tentar dar um jeito, mas o filme não faz milagres e não deu conta de alguns detalhes do tipo o Professor X se tornar paraplégico em 1962 mas no flashback de Confronto Final ele estar andando ao lado de Magneto entrando na casa da Jean mais nova em pleno 1986 (a droga feita pelo Fera que o permitia andar em Dias de Um Futuro Esquecido não explica isso porque quando ele a usava perdia os poderes, e nessa cena ele usa a telepatia com Jean) ou avistar rapidamente no cérebro o que parece ser Ciclope e Tempestade crianças em plena década de 60 (no First Class), que estariam com uns 50 anos em X-Men- O Filme, que se passa em 2000. Também Moira, que em 62 é uma agente da CIA de 32 anos em First Class. Em X-Men – O Confronto Final, de 2006, é uma cientista. A mudança de profissão a gente até pode entender, mas ela não envelheceu nada! Esses são furos mais graves, entretanto, podem ser relevados quando você leva em consideração que deveriam ser trilogias paralelas.


Os outros furos podem ser resolvidos, por exemplo, quem nasceu antes de 1973 não poderia ter sua idade alterada, então por que Trask aparece como um homem negro em Confronto Final e em Dias de um Futuro Esquecido ele é o Tyrion um anão branco? bom, ao longo da franquia, dois atores interpretaram pessoas com o sobrenome Trask. No entanto, isso não significa que eles foram o mesmo personagem. Bill Duke foi Trask em O Confronto Final e Peter Dinklage foi Bolivar Trask em Dias de um Futuro Esquecido. A Fox foi muito feliz ao creditar Duke apenas como Trask, abrindo caminho para que Dinklage interpretasse o verdadeiro criador dos Sentinelas, Bolivar. Sendo assim, o Trask de X-Men: O Confronto Final é um parente distante do Bolivar Trask de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido.


Há também quem ache estranho o fato de colocar Mística para ser praticamente irmã adotiva de Charles quando os dois se tratam sem a menor familiaridade na trilogia original. Sabemos o que aconteceu no final de First Class, Mística abandonou Charles porque ele não dava tanta atenção para ela e foi pro lado de Magneto, que a apoiava sempre. Agora imagine a influência do vilão ao longo dos anos na personalidade de Mística e sua devoção e paixão a ele por aceitá-la como realmente é. Não é de se admirar que Mística tenha ficado tão maldosa.


Outro assunto bem legal é a linhagem dos mutantes. Primeira Classe introduziu o famoso ruivo irlandês, Banshee, que viria a ser o pai de Siryn (lembra daquela garotinha que dá um grito que ensurdece todo mundo na mansão quando aqueles soldados do Striker a invadem?) e também Azazel, o demônio vermelho teletransportador que tem um relacionamento com Mística nos quadrinhos e juntos têm o Noturno. Eles se conhecem na década de 60 em Primeira Classe. Em Dias de Um Futuro Esquecido, Mística começa a lagrimar quando vê o arquivo dos mortos, incluindo Azazel, e na continuação do filme, Apocalipse, na déc de 80, vemos quem? Mística indo resgatar justamente um Noturno adolescente. A história dessa família está toda contada de forma implícita ao longo do filme.

O mesmo, arrisco dizer, acontece com Magneto e Mercúrio, em Dias de Um futuro Esquecido, que tiveram sua relação de pai e filho apenas sugerida, mas depois confirmada na sequência. Também a garotinha mais nova irmã de Pietro, não, não é a Feiticeira Escarlate, até porque esta é tradicionalmente irmã gêmea de Pietro, também não acredito que seja Polaris, e sim apenas outra filha humana da peguete do Magneto. Mas isso não significa que Wanda Maximoff não exista. Na versão Vampira do filme (com cenas adicionais que recomendo muito) a mãe deles fala para a garotinha "vá amolar sua irmã" ao que ela responde "mas é ela que me amola", portanto existe uma outra filha, provavelmente Wanda, que dado ao teor de seus poderes e personalidade, aposto ser uma adolescente rebelde e meio gótica, estilo Cindy Lauper, trancada no quarto. Entendo essa decisão, uma vez que Pietro com sua hipervelocidade já interferiu muito nos acontecimentos do filme, imagina Wanda com sua manipulação de probabilidades e magia do caos. (PS. Ao contrário do que muitos pensam, a outra filha que vemos em X-Men: Apocalipse não era Wanda e sim Nina, que faz relação com Anya, a primeira filha, menos conhecida, de Magneto dado ao fato de seu destino trágico ainda mais triste nas HQs


Beleza, essa aqui eu acho bem legal. Como o Professor Xavier aparece em Dias de Um Futuro Esquecido se ele havia sido literalmente desintegrado pelos poderes divinos da Fênix em O Confronto Final? Moira aparece numa tela durante uma aula de Charles, falando sobre ética mutante e o que é considerado certo e errado, como o direito de transferir a mente de um pai de quatro crianças moribundo para o corpo de um homem que nasceu sem funções cerebrais ativas. Nas cenas pós-créditos do filme, ela aparece novamente para uma breve cena, onde vemos que Xavier transferiu a sua mente para dentro do corpo do paciente, já que o corpo fora desintegrado por Jean.


Nos comentários em DVD do filme, o diretor revela que o paciente em coma era um irmão gêmeo de Charles, que nasceu com morte cerebral quando Charles, ainda no útero, não controlando seus poderes, deteriorizou o cérebro do irmão. Isso já aconteceu nas HQs, mais especificamente na história E de Extinção, lançada perto da história Superdotados, na qual o terceiro filme se baseou.

Ou, ele poderia simplesmente assumir aquele corpo e usar seus poderes mentais pra projetar na mente de todos a sua forma original. Como a linha do tempo foi alterada e ninguém mais morreu, o Xavier no final de DOFP voltou a ser o Xavier com seu corpo original já que todo incidente entre ele e a Fênix não mais aconteceu, ele não morreu, não precisou transferir mais sua consciência etc.


Como Wolverine recuperou as garras de adamantium em DOFP se no final de Wolverine Imortal ele as perde e fica só com garras de osso? Logo no início de Dias de Um Futuro Esquecido, Logan aparece com suas garras de adamantium, que foram cortadas pelo Samurai de Prata em Wolverine - Imortal, ficando só com as naturais garras de osso que cresceram. Dava até pra relevar esse pequeno furo, como filmes independentes um do outro, mas Wolverine Imortal, ao contrário de Wolverine - Origens (que eu prefiro ignorar), tem fortes ligações com a franquia, vide as cenas da Jean e a cena pós-créditos com Xavier e Magneto avisando Logan sobre a nova ameaça dos sentinelas, inclusive repare que nessa cena o Xavier já reaparece e Wolverine, surpreso ao vê-lo vivo, pergunta "como é possível" ao que Xavier responde: "como eu lhe disse há muito tempo (em X-Men: O Filme), você não é o único que tem dons", referindo-se provavelmente ao que expliquei no parágrafo anterior.

Tá, mas e como Wolverine recuperou as garras de adamantium? Bom, seria muito estranho se a gente o visse no início de DOFP sem as garras de adamantium só por causa do final daquele filme de outro diretor e ele realmente precisaria delas pra enfrentar os sentinelas. De acordo com Bryan Singer, "em algum momento entre o final de Wolverine: Imortal e o início de Dias de um Futuro Esquecido, o Wolverine tem o Adamantium religado às suas garras." Segundo Singer, Magneto foi o responsável por devolver o metal aos ossos do mutante. “O Mestre do Magnetismo poderia, talvez, reconstituir as garras de adamantium... Ele (Wolverine) tem uma relação diferente com Magneto, e talvez ele pudesse forjá-las”. Isso faria sentindo já que Magneto uniu forças com os X- Men para combaterem juntos os sentinelas, ele poderia reintegrar o metal ao corpo do canadense.


Se em 1973, na cronologia original, Bolivar Trask foi assassinado por Mística e o governo concluiu que havia a necessidade do Programa Sentinela ser aprovado, por que eles não aparecem caçando os mutantes e não há nenhuma referência - com exceção da cena na sala de perigo - a eles na trilogia original? Com um contrato de defesa com a administração de Nixon, as Indústrias Trask começaram a produção e o desenvolvimento do Sentinela Mark I. Só que o projeto nunca foi às ruas. O cancelamento do Programa Sentinela aconteceu dois anos mais tarde, em 1975, quando Charles Xavier vai até Washignton se apresentar na casa dos Representantes dos EUA, em uma sessão fechada, pedindo liberdade aos mutantes, incluindo integração e privacidade como pode ser visto neste especial "X-Men: 25 Moments". Mas, por baixo dos panos uma guerra estava apenas começando, com os experimentos das Industrias Trask, os Nimrods, seriam ativados cerca de 40 anos mais tarde com a combinação do DNA de Mística e Vampira (melhor visto na versão Rogue Cut do filme) que passam a imitar e absorver os poderes dos mutantes, tornando-os letais.


Como explicar os poderes de viagem no tempo de Kitty? No original em quadrinhos, foi Kitty quem voltou no tempo para alertar os mutantes do futuro fatídico que os esperava. No entanto, na versão cinematográfica isso seria impossível, porque Kitty simplesmente nem era nascida nos anos 70. Por motivos claros, quem assumiu esse papel foi o Wolverine, mas o Bryan Singer não deixou que Kitty fosse simplesmente colocada de lado. Para honrar a personagem, o diretor se utilizou de um recurso chamado "Mutação Secundária", que se trata de um novo poder que o mutante recebe tempos depois de descobrir seus poderes primários e é muito comum nos quadrinhos dos X-Men. Esta mutação pode desenvolver mais ainda um poder já existente, ou conceder um poder novo e mais específico.

tentando entender a linha do tempo de X Men
No filme, é revelado que Kitty Pryde desenvolveu habilidades adicionais durante os 17 anos que se passaram desde X-Men: O Confronto Final. Enquanto ela normalmente poderia passar a si mesma e outros através de objetos sólidos, ela agora também é capaz de atravessar as barreiras do tempo, enviando as mentes das pessoas para seus corpos mais jovens. Em outras palavras, Kitty Pryde tem o poder de reestruturar a matéria em níveis moleculares e até atômicos, o que faz com que ela possa ultrapassar objetos físicos e fazê-los atravessar outros. Esse fenômeno é conhecido como Tunelamento Quântico. No filme “X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido”, ela é capaz de mandar a consciência de alguém para uma memória passada. Portanto ela está retirando informações de sinapses recentes e “jogando” nas passadas, causando “viagem no tempo”. A recuperação da memória do futuro no passado só é possível porque Kitty não interrompe o envio.


E se X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido teve a ótima ideia de envolver os mutantes com eventos da história mundial como guerra fria, crise dos mísseis e o assassinato de John F. Kennedy, X-Men: Apocalipse deu continuidade a curiosa mistura do universo mutante com elementos históricos, e lançou o material extra eras de Apocalypse, que ilustra a presença do primeiro mutante pelas eras da humanidade, desde sua adoração no Egito, passando pela peste de Atenas, incêndio de Roma, além da ótima sacada de insinuar no filme que o próprio Deus cristão (e grande parte dos outros deuses de várias culturas) teria sido um mutante, ninguém mais, ninguém menos que o próprio En Sabah Nur.

tudo foi revelado

Por falar nisso, a palavra "apocalipse" vem do grego e significa "revelação". Pra nós, o último livro da bíblia é chamado Apocalipse, mas nos EUA é chamado de "Revelations", logo, quando En Sabar Nur diz, ao ver a Fênix, que "tudo foi revelado", ele percebe a verdadeira força, maior do que ele, que deveria então tomar seu lugar e ele poderia partir. Também, notem que as cenas que Jean vê nos seus sonhos de destruição, fogo e cenário apocalíptico de fim de mundo podem ser coisa não de En Sabah Nur, mas da própria Fênix Negra, mas isso vamos ter de esperar mais um filme pra ver.

Esse post será atualizado de acordo com o lançamento de novos filmes da franquia.


sábado, 6 de setembro de 2014

Curta: "The Separation", de Robert Morgan

Enfim, a coisa boa de hoje é mais um curta, bem sinistro (pra variar) e que eu já deveria ter postado há muito tempo talvez alguns de vocês já tenham até visto. Chama-se "The Separation", de Robert Morgan e conta de maneira emocionante e ao mesmo tempo macabra, a história da separação de dois irmãos gêmeos siameses e as consequências disso.

Embora eu ache que The Separation seja o melhor de todos, há outros curtas do Robert Morgan que você pode ver no youtube ou no site dele (http://www.robertmorganfilms.com/)


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

O Mistério Por Trás do Quadro "A Criação de Adão"

Em 1508, Michelangelo Buonarrotti aceitou o pedido do papa Júlio II della Rovere para decorar o teto da Capela Sistina, no Vaticano. Depois de 4 anos de árduo trabalho, Michelangelo substituiu a decoração existente, de um céu simples cheio de estrelas, por uma criação com as principais cenas do Gênesis.

"A Criação de Adão" é sem dúvida o afresco mais famoso da Capela Sistina. A cena representa um episódio do Livro do Gênesis no qual Deus dá origem ao primeiro homem, Adão. E é neste quadro que se esconde um grande mistério a ser analisado  e com a mente aberta, então se você for um ignorante nem leia este post!




Como profundo conhecedor da anatomia humana e um dos principais artistas renascentistas, Michelangelo seguia os princípios da razão. O cérebro era visto como um órgão especial, principal responsável pelo equilíbrio do homem. Especialistas suspeitam que na sua principal obra, A Criação de Adão, Michelangelo fez um cérebro, de forma muito habilidosa e discreta, ao redor de Deus. Por isso, especula-se que o autor tenha pensado em questionar dogmas religiosos, reforçando a ideia de que a religião não passa de um produto da mente humana.



E mais! No nome do quadro "A Criação de Adão" as pessoas vêem como se fosse o Adão sendo criado, mas se seguíssemos o nome da obra ao pé da letra? Talvez Michelangelo queria sugerir que deus foi a criação de Adão, da mente dele mais precisamente, e não o contrário.

Mas há também outra interpretação preferida pelos criacionistas de que nesta obra Deus estaria passando a inteligência ao homem, representada pelo cérebro no qual ele está sobreposto (sei não hein). Esta, aliás, foi a interpretação escolhida pelo cara que fez este vídeo, mostrando todos os detalhes anatômicos do cérebro na obra, vale a pena ver.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Curta: "Ninjas", de Dennison Ramalho

Oi galere, eu já queria ter postado isso antes mas o blogger tava bugado e eu não consegui, mas agora voltou ao normal e eu posso finalmente mostrar a vocês este curta excepcional chamado "Ninjas". Ele é do Dennison Ramalho, esse cara fodão, mesmo diretor de "Amor só de Mãe", aquele outro curta diabólico que postei aqui faz um tempo. "Ninjas" é um puta curta melhor do que vários filmes nacionais de duas horas que tem por aí, não perca tempo e assista já!

domingo, 21 de julho de 2013

A Teoria Pixar

Olá galera, sei que passei um tempo afastado do blog, que ficou meio abandonado, mas tive que voltar aqui pra postar isso!


Trata-se de algo que ficou conhecido como "Teoria Pixar" e está rondando a internet ultimamente. É uma teoria do jornalista Jon Negroni que, após assistir exaustivamente todos os filmes da Pixar e achar os easter eggs, formulou a hipótese de que todos eles se passam no mesmo universo e contam uma só história: o apocalipse da Terra e um futuro bem estranho. Para entender esta história, primeiro é preciso colocar os filmes na ordem cronológica correta, coisa que o jornalista fez observando as inúmeras "pistas" deixadas pela empresa de animação. Como já tem muita história, vamos contar a síntese e deixar os easter eggs e pormenores (até física quântica entra na história) para sermos (acreditem) mais enxutos possível. É importante avisar que o texto abaixo contém vários spoilers.

Tudo começa (cronologicamente falando) pelo filme medieval Brave. Nele, uma bruxa (que tem o péssimo hábito de desaparecer por trás de portas) desenvolve uma poção que humaniza animais e objetos. É o único filme da Pixar que se presta a explicar a humanização deles. Seria aqui o começo de uma geração de animais e objetos racionais.


A seguir, vem Ratatouille, a história do ratinho que adentra a sociedade gastronômica de Paris. Aqui seria a época em que os animais racionais já se proliferaram e começaram a ousar interagir com os humanos de igual para igual, chegando até a nos superar, mas ainda sem uma comunicação clara estabelecida. Os objetos também se proliferaram? Sim, em Toy Story. Mas este filme vai além. Do que falam os três Toy Story? Não só de objetos com inteligência própria, mas de brinquedos que estão cansados de serem negligenciados pelos seus donos. #basta #revolução #vemprarua. E o que encontramos no terceiro e último filme da série?


Sim, um postal do Carl e da Ellie - o casal de Up!. Subtendendo-se que Ellie está viva nesta época, a história de Up! se passa depois da de Toy Story. Nela, o vilão desenvolve colares para os cachorros falarem. Ou seja, parece que o boato dos animais serem inteligentes se espalhou e só lhes falta uma coisa: um idioma. Senão, pra quê ele faria os colares? Enquanto isso, no mar, Marlin e Dory estão Procurando Nemo. Perceba que os peixes, embora sejam inteligentes, o máximo que desenvolveram semelhante à sociedade humana é uma escola. E lembra que a história de Up! começa pq Carl precisa arrancar a casa dele do chão pq senão ela seria demolida? Ok, guarde isso.

Então passamos para Os Incríveis! O começo deste filme fala de uma vida normal com super-heróis no mundo até a morte deles, certo? Pelo grafismo, parece que isso aconteceu nos anos 70. Até casarem e terem filhos grandes, a família superpoderosa passaria pela história do filme já nos anos 90. Época que, teoricamente, Toy Story tb se passa. E quem é o grande obstáculo da família? O maluco do Síndrome? Não - aquele robozão gigante. E os outros heróis acabaram morrendo ou pelas mãos deste robô ou tendo as capas tragadas por turbinas. Hum... parece que não são só os objetos do Andy que estão se revoltando contra o homem, não é? E estes foram mesmo direto ao ponto: eliminar os heróis.


Sem heróis, as máquinas dominam. Começa uma era de revolução industrial. Tudo tem que ceder espaço para o progresso. Até a casa de Carl entra na jogada e tem que ceder o espaço para a modernidade (aplique aqui o "guarde isso"). Por fim, a Terra fica tão poluída que quase todos os animais morrem e os humanos precisam fugir pro espaço. Por aqui, ficam só os objetos como brinquedos, casas e... Carros. Em Carros e Carros 2 simplesmente não existem humanos, embora seja claro que tenham existido em algum momento (rodovias, placas, corridas, etc). Estes filmes se passam numa realidade onde tinha acabado de sair do planeta. Em séculos, nada mais restará a não ser lixo e um robozinho melancólico e solitário chamado Wall-E. Esta animação já pula para a época em que o homem volta ao planeta. Mas Wall-E não estava sozinho - ele tinha a companhia de uma barata. Ou seja, insetos também sobreviveram ao apocalipse. E, inteligentes, continuaram a desenvolver sua sociedade e viver sua Vida de Inseto. Se em Procurando Nemo a sociedade animal era muito pouco parecida com a nossa, entre os insetos, séculos depois e sem a interferência do homem, já está bem mais parecida. Eles têm até um circo!


No filme dos peixes há presença humana, o que não acontece no filme dos insetos. Isso pq, segundo a teoria, os insetos já estariam vivendo sem nós há muito tempo. Os perigos citados sempre são "insetos maiores". A não ser o pássaro que aparece no final, que, junto com a farta vegetação, indicaria que esta história é ambientalizada quando a nave já voltou ao planeta e já estamos por aí, só que ainda muito raros para os insetos saberem. Seríamos nós os "insetos maiores"? Ou de fato alguma raça de inseto se desenvolveu de uma forma inesperada com toda poluição? Será que voltamos e, junto com esses super-insetos, acabamos desenvolvendo uma nova espécie? Uma espécie híbrida de criaturas mutantes que trabalhassem numa empresa chamada Monstros S.A.?

Pela teoria, sim. Mike, Sullivan, seus companheiros e companheiras seriam nossos descendentes monstruosos. Uma raça híbrida de humanos com insetos que enfrenta uma grande crise de energia. A viagem no tempo já é praticável, então eles descobrem que é preciso usá-la e conseguir energia no passado - as portas são estes portais. E Sullivan conhece Boo.


De alguma forma, depois do filme, Boo e Sullivan não podem mais se ver. Ela entra em desespero, fica #chatiada e neurótica com a idéia de que é possível que os animais desenvolvam inteligência (ela chamava o monstro de "gatinho"). Já sabendo da real funcionalidade das portas, consegue viajar no tempo. Futuro? Não - passado. Época medieval. Ela volta para tentar humanizar animais e objetos. E consegue. E conhece Brave.

Nó na cabeça: Boo é a bruxa de Brave. Tá de brinqs??? Volte à primeira imagem e olhe direito. Na foto com a bruxa, abaixo do martelo, há o carro da Planet Pizza. Ou seja: ela conhece o futuro. Nos objetos da casa, olhe melhor no canto direito. Não enxergou? Veja um zoom:


Sim, aquilo ali é o Sullivan desenhado. :o Além do mais, esta senhora vive desaparecendo atrás das portas. Desaparecendo não - viajando no tempo. ;)

Esta é a teoria. Os próximos filmes da Pixar podem dar mais peças do quebra-cabeça, acrescentar mais informações ou simplesmente mostrar que esta é uma teoria furada e lunática. Mas, que é muito interessante, isso é.

ps.: Um dos próximos projetos da Pixar se chama "The Good Dinossaur". Vão voltar ainda mais no tempo. Além do que, não é o primeiro dinossauro bonzinho que a empresa inventou (lembram do Rex do Toy Story?). Será que teremos ligações?

É, parece que o Pizza Planet Truck não é a única coisa em comum nos filmes da Pixar...

Fonte

domingo, 5 de maio de 2013

Curta: Cargo
















O festival australiano Tropfest acontece todos os anos em fevereiro e, em vinte anos desde sua primeira edição, se tornou o maior festival de curtas do mundo. Na edição desse ano, um dos finalistas chamou a atenção dos fãs de zumbis. "Cargo" não se trata de um curta de horror, mas sim de um vídeo tocante que usou o universo dos zumbis de forma criativa e diferente do que estamos acostumados. (assim como Charlie Byte My Finger, lembra?)

Dirigido por Ben Howling e Yolanda Ramke, Cargo mostra um homem em meio a um apocalipse zumbi que precisa defender o que carrega de mais importante: sua filha. Todos os filmes feitos para o Tropfest devem incluir o Tropfest Signature Item (TSI), um objeto que simboliza o festival a cada ano e que prova que o curta foi feito especificamente para o evento. O objeto desse ano foi um balão.

Lógico que você vai ver agora este magnífico curta completo :)


Perfeito, não?