sexta-feira, 27 de julho de 2012

Orfeu e Eurídice


Orfeu era filho do deus Apolo e da ninfa Calíope; recebeu de seu pai uma lira de presente e aprendeu a tocá-la com tal perfeição que nada podia resistir ao encanto de sua música. Até mesmo as feras mais selvagens amenizavam sua ferocidade diante do som extraído deste instrumento, que praticamente as hipnotizava.

Orfeu apaixonou-se por Eurídice e casou-se com ela. Mas Eurídice era tão bonita que, pouco tempo depois do casamento, atraiu um apicultor chamado Aristeu. Quando ela recusou suas atenções, ele a perseguiu. Tentando escapar, ela pisou em uma serpente, que a picou e provocou sua morte.

Orfeu ficou transtornado de tristeza e, depois de passar horas chorando e tocando músicas tristes em sua lira, resolve tomar uma atitude: ir até o Mundo dos Mortos para tentar trazê-la de volta. Lá, o amante leva Caronte a guiá-lo pelo Rio Estige sem nem precisar pagar as duas moedas que o barqueiro tanto exigia, satisfazendo-o apenas com o doce som de sua lira; amansa até mesmo Cérbero, o terrível cão de três cabeças que guarda as portas infernais; ameniza as torturas das almas exiladas; e, finalmente diante de Hades, arranca lágrimas do próprio soberano dos desprovidos de vida, o qual, diante dos apelos da esposa Perséfone, permite que Orfeu vá buscar Eurídice, mas impõe uma condição: a jovem retornaria com Orfeu ao universo dos vivos, desde que o amante não olhasse para sua amada até estar novamente sob o Sol.

Orfeu consegue resistir através de túneis sombrios e difíceis de atravessar, e já estava quase chegando à esfera iluminada quando, para ter certeza de que a esposa estava logo atrás, ele olha para trás e a espia por um instante. Neste momento, Eurídice se transforma novamente em um espectro, lança um último grito e é sugada de volta ao mundo dos mortos.

Orfeu se desespera, e permanecendo sete dias ao lado do lago, em jejum, ele se converte em um ser devorado pela angústia e rejeita as outras mulheres; Cansadas de serem menosprezadas, as malucas Mênades, cortam seu corpo em pedaços e lançam sua cabeça no Rio Hebrus. Agora no reino dos mortos, o amante se reúne eternamente a sua amada Eurídice. As assassinas são punidas pelos deuses, transformando-se em sólidos carvalhos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

O comentário de vocês é muito importante para o blog, mas por favor evitem escrever muitas palavras abreviadas e cheias de erro, de forma a tornar o texto praticamente ilegível, caso contrário, os comentários serão eliminados. E o façam de preferência de forma não anônima. Obrigado pela compreensão e opinião de vocês. Voltem (e comentem) sempre!